ESCOLA DE IMAGEM, a maior escola de fotografia da América Latina. Curso Completo, workshops de fotografia, iluminação e estudio no Rio de Janeiro

porno sex izle brazzers sex izle porno 64

  • O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANNE GODONEO

    13.03.2015 - Autor: Marketing

    Mais um post da série “O que a fotografia fez por mim?”. Chegou a vez de conversamos um pouco com outra aluna do Rio de Janeiro, a Anne Godoneo. Com 21 anos, a aluna da T14 nos contou um pouco dos seus impressionantes, 7 anos na fotografia.

    Como você começou a fotografar?

    Não consigo recordar do exato momento em que decidi a começar a fotografar, mas quando penso de onde veio a paixão pela fotografia, recordo de meu avô chegando em meio aos eventos de família, retirar uma câmera de sua bolsa e registrar alguns momentos inusitados. Ficava encantada com os resultados e o modo sincero de como o momento era captado. Achava aquilo um máximo! Não demorou muito para herdar o costume de filmar e fotografar a família, e posteriormente herdar seus equipamentos fotográficos. Apesar de nunca ter sido uma influência direta, foi algo que me marcou muito.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANNE GODONEO

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANNE GODONEO

    Quando esse hobby virou profissão?

    Sempre fui apaixonada por música e tudo que a envolvia. Colecionava milhares de revistas pra ver fotos promocionais e ler curiosidades, acompanhava bandas, e vivia em showzinhos locais. E como sempre admirei grandes fotógrafos(as) e cineastas envolvidos na cena artística, aos 15 anos decidi associar uma paixão com a outra, e comprei minha primeira DSLR. Desde então venho exercendo diversos projetos em meio a fotografia ligados a arte e a música.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANNE GODONEO

    Qual a importância da fotografia para você?

    Tenho em mente de que qualquer forma de expressão artística é a expansão da nossa essência, e com a fotografia não é diferente. Cada ser humano é um universo, e com ele suas experiências e sensibilidades. Ao fazer um registro, tenho a oportunidade de compartilhar minha percepção de momento e estética com o mundo. É uma formas mais sinceras que vejo de descrever pessoas e situações.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANNE GODONEO

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANNE GODONEO

    Pessoalmente, o que a fotografia mudou na sua vida?

    Com a fotografia, aprendi a associar a profissão à paixão. Quando você se entrega a uma paixão, você a expande de diversas formas positivas, criando sempre fórmulas naturais para se reinventar e viver aquilo de uma forma prazerosa.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANNE GODONEO

  • O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? MÁRCIA ANDRADE

    13.03.2015 - Autor: Marketing

    Voltamos com a série “O que a fotografia fez por mim?” vocês estão gostando? Hoje vamos contar um pouco da história da Márcia Andrade, que formou na IT01, de Belo Horizonte. A Márcia tem 52 anos, e está algum tempo na fotografia, sua história é linda, vale a pena conferir.

    Como você começou a fotografar?

    Sempre gostei de fotografar, mas gostava muito de paisagens, natureza. Tive várias câmeras, daquelas de filme, e quando ganhei a minha Canon (de filme), mal sabia usá-la. A partir de então, fui mudando a cada dia de cyber shot, queria ter uma que trouxesse os passarinhos para perto de mim (risos). Ganhei então uma Sony HX1 que tinha um zoom digital de 50 vezes. Me senti a pessoa mais feliz do mundo, por que ela trazia não só os passarinhos, mas a lua e uma infinidade de coisas pra bem perto. Vi então a necessidade de procurar um curso para que pudesse aprender a usufruir de todas as funções que ela tinha. Queria aprender a usar o famoso “Modo Manual”. Em setembro de 2010, procurei a Escola de Imagem que todos diziam ser a melhor escola de fotografia de BH. Fiz o curso Fotografia para Iniciantes. Daí pra frente não parei mais, quanto mais aprendia, mais queria aprender.

    Em 2014, estava indo para uma expedição na Amazônia, procurei a Escola para saber que tipo de câmera seria melhor. Tive uma orientação perfeita da consultora Renata. Adquiri uma câmera de entrada, mas, como não sabia usá-la, repeti o Fotografia para Iniciantes em março de 2014 e fiz alguns módulos isolados.

    Dentro da escola, ainda me interessei pelo Curso Completo Intensivo.

    De lá pra cá não parei mais!

    escola de imagem, escola de fotografia, belo horizonte, vinícius matos

    escola de imagem, escola de fotografia, belo horizonte, vinícius matos

    Quando esse hobby virou profissão?

    Sou Psicóloga, e usava a fotografia como terapia, era um meio de aliviar um pouco o stress do meu trabalho que era a UTI de um pronto socorro em BH. Nunca havia pensado em fotografar profissionalmente. Mas dentro da escola conheci professores que foram se tornando referência para mim. Fui aproveitando tudo o que a escola oferecia de melhor, os módulos específicos, aulas práticas e workshops.

    Fui me apaixonando ainda mais, por algo muito que era muito maior do que aquilo que eu já conhecia. E assim foi virando profissão.

    escola de imagem, escola de fotografia, belo horizonte, vinícius matos

    Qual a importância da fotografia para você?

    Às vezes eu me perguntava se uma foto era para gerar ou matar a saudade. Descobri que dependendo da ocasião ele pode trazer à nossa memória momentos incríveis que foram vividos algum dia.

    Percebi então que posso contribuir para que as pessoas sejam fotografadas pelas minhas lentes com emoção e guarda-las para serem vistas e revividas a todo e a qualquer momento porque, afinal de contas, sentir saudades é sempre um ato de amor, podendo ser guardados para gerar ou para matar saudades!

    escola de imagem, escola de fotografia, belo horizonte, vinícius matos

    Pessoalmente, o que a fotografia mudou na sua vida?

    A fotografia mudou tudo em minha vida. Hoje além de continuar sendo uma terapia fotografando a natureza, tenho prazer em fotografar as pessoas e  compartilhar as emoções contando a história delas através das fotografias.

    Enfim, vejo a fotografia hoje como “a arte de congelar o tempo, e se souber usar milissegundos de um momento, você pode eternizá-lo e emocionar.”

    escola de imagem, escola de fotografia, belo horizonte, vinícius matos

  • O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? BRUNO MONTEIRO

    13.03.2015 - Autor: Marketing

    A série “O que a fotografia fez por mim?” Fez tanto sucesso, que resolvemos transforma-la em um projeto semanal. Sim, a partir de agora, toda semana teremos uma pequena entrevista com um aluno ou ex-aluno da Escola de Imagem. Legal né?

    O entrevistado da vez é o Bruno Monteiro, da Turma 16, Escola de Imagem do Rio de Janeiro. O Bruno e muito conhecido de quem acompanha nossas redes sociais, sempre tem uma foto do cara pipocando por lá! Vamos conhecer esse grande fotógrafo.

    Como você começou a fotografa?

    Sempre gostei de arte e de desenhar e pintar coisas e paisagens, um dia comecei a usar uma câmera antiga da família e gostei. Passei a fotografar tudo o que via e não parei mais.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? BRUNO MONTEIRO

    Quando esse hobby virou profissão?

    A pouco tempo, comecei a ganhar dinheiro com a fotografia de surf. Mas ainda não vivo só da fotografia.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? BRUNO MONTEIRO

    Qual a importância da fotografia para vocês?

    Pra mim é uma terapia, a câmera é minha parceira, sempre estive com uma câmera no bolso ou mochila, ela me ajuda em tudo. A fotografia abre portas.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? BRUNO MONTEIRO

    Pessoalmente, o que a fotografia mudou na sua vida?

    Como falei ela me ajuda em tudo, eu era muito tímido e encontrei uma maneira de mostrar o que sou sem precisar ser visto. Hoje em dia não sou tão tímido, graças a fotografia. Além de todas as oportunidades que surgiram, os amigos que fiz. A fotografia é a minha vida.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? BRUNO MONTEIRO

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? BRUNO MONTEIRO

  • O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? NORTON VIGGIANO

    13.03.2015 - Autor: Marketing

    Mais um post da série “O que a fotografia fez por mim?”. Hoje vamos falar do Norton Viggiano, de 40 anos, que se formou com a T85, em Belo Horizonte. O Norton tem três anos na fotografia e nos contou um pouco da sua experiência neste mundo que amamos.

    Como você começou a fotografar?

    A fotografia sempre me chamou atenção. Tive do meu lado uma pequena câmera Ciber-Shot e fazia questão de registrar as minhas viagens, os momentos em família e principalmente os primeiros anos de vida da minha filha Andreina, hoje, com 15 anos. Quando decidi fazer uma expedição de Jipe pelo Nordeste com a minha esposa, e, no nosso roteiro estavam inclusas as praias mais bonitas do Brasil, senti que deveria ter uma câmera melhor para fotografar as belezas encontradas no caminho. Foi neste momento que comprei minha primeira câmera profissional.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? NORTON VIGGIANO

    Quando esse hobby virou profissão?

    Sendo um contador bem sucedido na minha profissão, nunca imaginei ser um fotógrafo profissional. Quando cheguei da Expedição pelo Nordeste, fiquei surpreso com o impacto que as minhas fotografias tinham causado nas pessoas. Através dos amigos, surgiram os primeiros convites para fotografar os aniversários infantis e até um casamento. Diante disto, tive certo receio em me aventurar no mundo fotográfico e pôr em risco as minhas amizades.

    Diante destes acontecimentos, abracei alegremente esta oportunidade, e decidi fazer do meu hobby a minha mais nova profissão!

    Só me senti seguro em aceitar os primeiros trabalhos após ter me matriculado na melhor escola de fotografia de BH, fazendo o curso completo de 12 meses. Aproveitei ao máximo os benefícios que a Escola de Imagem proporcionava aos alunos, nas aulas práticas, nos cursos e workshops, sem falar do calor humano dos professores. Neste processo, novas amizades nasceram, e estes amigos também se tornaram grandes referencias para mim.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? NORTON VIGGIANO

    Qual a importância da fotografia para você?

    A fotografia tem o poder de congelar o tempo e contar uma história em apenas uma imagem. Com esse pensamento, busco ter um estilo mais documental nos meus trabalhos, registrando as pessoas de uma forma mais espontânea.

    Meu objetivo é capturar a essência das pessoas nas fotografias, exteriorizando o que há de mais intrínseco em cada uma, de forma simples, mas com emoção.

    E no futuro, estas fotos serão de grande valor, trazendo à tona lembranças de bons momentos além de outras sensações que somente uma fotografia pode proporcionar.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? NORTON VIGGIANO

    Pessoalmente, o que a fotografia mudou na sua vida?

    A fotografia mudou a minha vida por completo, posso dizer que sou um novo Norton após os meus primeiros passos no mundo fotográfico. É indescritível a sensação de segurar a câmera nas mãos e poder descrever, em imagens, um dia, um momento, a história das pessoas. Não posso deixar de falar dos laços de amizade que vão se formando, outros se fortalecendo a cada dia, a cada novo desafio, as histórias e a bagagem que cada um trás dentro de si, compartilhando os sonhos e os desafios.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? NORTON VIGGIANO

  • O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANA CATARINA TELES

    13.03.2015 - Autor: Marketing

    A série “O que a fotografia fez por mim?” Fez tanto sucesso, que resolvemos transforma-la em um projeto semanal. Sim, a partir de agora, toda semana teremos uma pequena entrevista com um aluno ou ex-aluno da Escola de Imagem. Legal né?

    Dessa vez a entrevista foi a Ana Catarina Teles, de 34 anos. A Ana é uma aluna muito especial, pois ela fez parte da primeira turma do Curso Completo no Rio de Janeiro. Vamos conhecer um pouco da Ana?

    Como você começou a fotografar?

    Ana: Minha relação com a fotografia começou em 2008, quando fiz meu primeiro curso básico, apenas pra melhorar minhas fotos de férias e viagens. Essa relação foi além e comecei a me interessar mais e mais pelo assunto ao longo do tempo. A verdade é que eu não sabia muito bem se poderia transformar esse hobby em algo rentável. Eu não sabia especificamente a área que gostava mesmo, só as que eu não gostava.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANA CATARINA TELES

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANA CATARINA TELES

    Quando esse hobby virou profissão?

    A: Fiz faculdade de Educação Física e Jornalismo e, curiosamente, as duas áreas da fotografia que me encantavam era fotografia esportiva e fotojornalismo, documental. Em 2013, fiz dois cursos que me impulsionaram. Um foi um workshop de fotografia de surf com o Sebastian Rojas, referência no ramo no brasil e no mundo.

    Posteriormente, soube numa mesa de bar que a Escola de Imagem estaria abrindo sua filial no Rio. Me identifiquei demais com a fotografia do surf, porque consegui reunir três paixões em um só momento: esportes, fotografia e praia.

    Foi até engraçado, porque durante o workshop, eu estava com uma caixa estanque na mão, comecei a boiar e pensei: “é disso que eu preciso, é essa a fotografia que quero seguir”. Ainda assim, o que mais me motivou é porque por mais que eu fizesse vários módulos de fotografia, ainda não me sentia segura pra encher o peito e gritar aos quatro cantos que eu era fotógrafa.

    Faltava virar uma chave. O formato do Curso Completo me conquistou e achei que ali seria uma boa oportunidade e respaldo pra sentir essa segurança. Com a Escola pude definir minha linguagem, meu método de trabalho e quais os nichos e possibilidades dentro da fotografia de surf que eu poderia me inserir.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANA CATARINA TELES

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANA CATARINA TELES

    Qual a importância da fotografia para você?

    A: Apesar de eu ser carioca, minha família inteira, sem exceção é de Minas Gerais, inclusive irmãos. Sempre achei curiosa essa relação das pessoas com o mar, principalmente para aqueles que não o tinham no dia-a-dia.

    Minha primeira exposição foi em Belo Horizonte, num bar havaiana, exatamente com o tema mar, chamada “Vias Submersas”. Ali entendi o valor que minha fotografia tinha. Por estar dentro do mar, longe da areia, eu presenciava momentos que nem todo mundo tinha acesso.

    Seja esse momento numa onda, numa manobra bem executada, na emoção do surfista, ou no universo paralelo que existe embaixo d´água. E é essa a história que eu gosto de contar: o que acontece lá dentro d´água que nem todo mundo vê, aquele milésimo de segundo que pode mudar a vida de uma pessoa, ou a liberdade que ela sente enquanto está em contato com a natureza.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANA CATARINA TELES

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANA CATARINA TELES

    Pessoalmente, o que a fotografia mudou na sua vida?

    A: A fotografia me trouxe alguns grupos aos quais tive acesso, principalmente quando tive a oportunidade e descobri o surf adaptado, para pessoas com necessidades especiais.

    Um dos meus trabalhos mais significativos e de maior importância na minha vida, foi um curta-metragem envolvendo o surf adaptado, em parceria com o Thiago Theo, meu coordenador na época da Escola de Imagem.

    Fomos juntos ao Havaí para cobrir um atleta adaptado de 11 anos, o Davizinho. Lá, descobrimos juntos esse universo, a arma que tínhamos na mão com nossa fotografia e de trazer para o Brasil a experiência que estávamos vivendo ali.

    A fotografia como um elemento de inclusão, com um grito de atenção, um elemento de igualdade entre os seres humanos, juntamente com o surf, minha outra paixão.

    Pra quem tiver curiosidade, o vídeo que produzimos está no link: “Adapt Your Mind”.

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANA CATARINA TELES

    O QUE A FOTOGRAFIA FEZ POR MIM? ANA CATARINA TELES

  • O que a fotografia fez por mim? Yuri e Camila

    13.03.2015 - Autor: Marketing

    Estreamos com esse post uma série mensal de depoimentos de fotógrafos sobre como a fotografia mudou suas vidas. E para começar essa série, conversamos com a Camila e o Yuri, alunos da Turma 97 do Curso Completo da Escola de Imagem e fotógrafos de casamento, donos da Le Gras Fotografia.

    O que a fotografia fez por mim? Yuri e Camila

    Como vocês começaram a fotografar?

    Camila: Desde criança eu sempre gostei de fotografar. Brincava com as câmeras da minha mãe, gastando rolos de filme fotografando até mesmo a televisão! Há oito anos atrás, comecei a trabalhar como cerimonialista freelancer e me envolvi muito com o universo dos casamentos. Ganhei uma DSLR da minha mãe quando entrei na faculdade e comecei a levá-la para os casamentos.

    Yuri: Meu envolvimento é um pouco mais recente. Me formei em Geografia e sempre fotografava nos trabalhos de campo, como um hobby e uma ferramenta de trabalho. Eu e Camila começamos a namorar já no começo da faculdade, eu na Geografia e ela no Design. Quando ela ganhou a câmera, me interessei e comecei a também estudar por conta própria. Depois de um tempo, juntei um dinheiro e com a ajuda dos meus pais e também comprei uma DSLR.

    O que a fotografia fez por mim? Yuri e Camila

     

    E quando esse hobby virou trabalho?

    C: Quando comecei a levar a câmera para os casamentos, fiz algumas fotos de duas amigas. E elas elogiavam, falando que a gente precisava investir nisso. Como fotografia é uma atividade muito cara e estávamos no meio da faculdade, não insistimos muito nisso. Mas um tempo depois, elas começaram a indicar a gente para amigas que iriam casar. Pouco tempo depois já estávamos fazendo nosso primeiro casamento, em 2014.

    Y: Depois desse casamento, resolvemos realmente investir na área e começamos a estudar mais, comprar equipamentos melhores e nos divulgar. Depois de um tempo trabalhando com o nome da Camila, resolvemos criar uma identidade pra gente. Como nós dois fizemos nosso TCC da faculdade voltado para fotografia, tivemos contato com a imagem produzida pelo Nicéphore Niépce, a “Point de vue du Le Gras”, ou Vista da janela de Le Gras, uma espécie de condado francês. Fotografamos com o nome de Le Gras Fotografia desde 2015. Desde então, a fotografia é nosso presente e nosso futuro. Não nos vemos fazendo qualquer outra coisa!

    le_gras_fotografia (3)

    Qual a importância da fotografia pra vocês?

    C: Pra mim a fotografia é capaz de fazer as pessoas reviverem momentos importantes e felizes de suas vidas. Mesmo que não consigamos nos lembrar com exatidão do que aconteceu, uma imagem tem o poder de trazer essa memória de maneira mais clara para as pessoas. O poder te contar histórias através de imagens é o que mais me fascina.

    Y: Acho que o mais legal é poder participar dos momentos mais importantes da vida de muita gente que acaba virando nossos amigos. Pra gente é muito gratificante ser confiado um trabalho tão grandioso quanto o registro da vida dos nossos clientes. Ver a alegria e a emoção quando as lembranças são revividas pelas fotos é recompensador.

     

     

    O que a fotografia fez por mim? Yuri e Camila

    E pessoalmente, o que a fotografia mudou nas suas vidas?

    C: A fotografia mudou a forma como eu vejo a vida. Ver coisas que às vezes podem ser julgadas como irrelevantes, mas que na verdade são extremamente importantes para os outros. Fotografar pessoas me ensinou a julgar menos o próximo, se sensibilizar com as histórias e ver o que há de melhor nas pessoas.

    Y: Falando por mim, eu já estava um pouco decepcionado com o caminho que a minha carreira na Geografia estava tomando. Encontrar a fotografia foi um alento profissional e pessoal. Devolveu minha satisfação de trabalhar e me fez descobrir uma atividade que acho extremamente prazerosa. Além disso, fotografar aumentou minha percepção para conseguir enxergar a importância dos momentos nas vidas das pessoas.

 tekirdağ escort muğla escort antalya escort balıkesir escort izmir escort manisa escort izmir escort escort bayan manisa escort nevşehir escort samsun escort